Divulgar o nome da cidade de Canutama mostrando o que ela tem de melhor; abordar temas diversos com vistas a promoção da cidadania e consciência política do povo, para o bem comum. Blog apartidário. CANUTAMA EM FOCO-Boletins Informativos Conheça Canutama!

imagem

Nível das águas continua subindo

Por Rdo Castro com informações do emtempo.com.br e acritica.uol.com.br


Av. B. Constant, 16/3/2012

No cruzamento da Avenida Benjamin Constant com a rua Teixeira de Freitas  está funcionando um porto improvisado. Veja mais fotos.

O nível das águas do rio Purus continua subindo e o município de Canutama (a 619 quilômetros de Manaus), já contabiliza mais de 1.300 pessoas desabrigadas e todas as escolas estão fechadas, por conta da cheia deste ano. De acordo com o engenheiro civil da prefeitura de Canutama, que está coordenando a ajuda à população, Rivanio Pantoja, a ajuda estadual será indispensável. “Nossa situação está muito difícil, precisamos urgentemente da intervenção estadual”, disse.

Mais de 500 famílias já foram obrigadas a deixar suas casas, informou o secretário de comunicação da prefeitura de Canutama, Fregilson Rabelo, que relata que centenas de pessoas estão abrigadas em escolas e em um conjunto habitacional do programa Minha Casa, Minha Vida, ainda em obras.

De acordo com Rabelo, centenas de estudantes das duas escolas públicas que estão servindo de abrigo tiveram as aulas suspensas e devem entrar em um calendário especial para recuperar o conteúdo. Escolas na zona rural do município também foram afetadas, segundo o secretário.

Na zona rural, propriedades inteiras estão debaixo d’água e os produtores rurais improvisam para não perder as criações e a safra deste ano. Bois, porcos e até patos são mantidos em marombas, ainda segundo o secretário.

“Os produtores rurais estão amargando prejuízos com a perda da safra e também de criações de animais, que acabam sendo deixados para trás, em meio à inundação. Na cidade, os comerciantes também contabilizam as despesas com a perda de móveis e equipamentos” disse.

  • CPRM confirma grande cheia no Amazonas em 2012
  • Vazão e cotas do rio Solimões indicam uma grande cheia neste ano 
12 de Março de 2012 publicado em "acritica.com"

Manacapuru (AM) –  Monitoramento intensificado neste mês por instituições de pesquisa e órgãos públicos federais do Brasil e da França indica que a bacia Amazônica terá uma cheia de grande porte em 2012. Para o geólogo Naziano Filizola, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e integrante do grupo de estudos, a cheia deste ano pode ficar entre as 10 maiores da série histórica.
“O nível do rio Solimões está elevado para o período, mas ainda não dá para dizer que será uma cheia recorde. A gente pode estar tendo uma antecipação. O que é preocupante é que ela pode ficar alta e permanecer lá em cima durante muito tempo até junho. Isso prejudicaria a população”.
As sistemáticas medições feitas nas réguas instaladas em estações do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) no Amazonas apontam que o rio Solimões vem apresentado níveis elevados para o período, superiores em grande medida em relação a 2011 e razoavelmente superior em relação a 2009, ano da maior cheia.
Medição realizada, no último sábado,  na estação de Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus) e acompanhada pela reportagem do jornal A CRÍTICA, apontou que a cota estava em 17,45 metros, superior aos valores registrados na mesma data de 2009, que foi de 17,19 metros.
“Tudo está indicando para uma cheia grande. O Solimões vem recebendo água dos seus afluentes, Purus e Juruá. Tem chovido muito em São Gabriel da Cachoeira e estas águas vão chegar a Manaus. É bom que chova agora por lá porque vai descer para Manaus e escoar para o oceano para que não haja uma coincidência de picos”, observou Marco Antônio Oliveira, superintendente da CPRM.
Jean Loup Guyot, representante no Brasil do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IDR), da França, que desenvolve estudos de variabilidade climática na bacia amazônica, também concorda que está sendo esperada uma cheia “muito forte”.
O registro de eventos climáticos extremos na Amazônia tem sido alvo de estudos de várias instituições de pesquisa, mas as causas de suas ocorrências ainda não estão completamente esclarecidas pela ciência. 
“Há uma extensa discussão se as causas são frutos da uma variação natural do clima ou se estes eventos têm impacto do aquecimento global. O certo é que séries históricas indicam que estes eventos eram pouco frequentes no passado e hoje estão mais normais", avaliou Guyot.


Emergência

O município de Canutama não é um dos dez do Amazonas que estão em situação de emergência, segundo o Subcomando de Ações de Defesa Civil do Amazonas (Subcomadec). Atualmente, os municípios de Eirunepé, Guajará, Ipixuna, Envira, Itamarati, Carauari e Juruá – na calha do Juruá – e Boca do Acre, Lábrea e Pauini – na calha do Purus – estão em situação de emergência.
A cheia dos rios no Amazonas já afeta 22,3 mil famílias em todo o interior do Estado, e as prefeituras das cidades afetadas receberam doações de cestas básicas, kits de medicamentos, kits de limpeza, kits de higiene pessoal, filtros microbiológicos, kits dormitório e hipoclorito de sódio, segundo o Subcomadec.



Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

Seguidores

Formulário de contato

Pesquisar este blog