domingo, 27 de dezembro de 2009

DESABOU O MURO DE CONTENÇÃO DA FRENTE DA CIDADE

A escada ficou comprometida


Nesta quinta-feira, 18, Canutama amanheceu com o visual de sua orla alterado com o desabamento de parte do muro de contenção construído há pouco mais de um ano pela prefeitura. Na quarta-feira,17 houve um deslizamento de terra no local que deixou o muro sem qualquer segurança, que acabou desabando cerca de 24 horas depois.

Na realidade, o problema teve início no ano passado, após a cheia quando desabou também o lado esquerdo do muro que apesar de ter uma extensão bem maior, não ofereceu grande risco às pessoas como o lado direito, apenas prejuízos materiais e desperdício de dinheiro público. 
Sem fundação, muro de concreto desabou


Esses fatos já eram previstos uma vez que a obra foi feita sem o menor critério de engenharia e acompanhamento por profissionais especializados.
Também não havia no local nenhuma placa indicando o valor da obra.





2 comentários:

  1. acontecimentos estes que foram avisados para o responsavel da obra que estava sendo realizada. mediante nossas falas de que isso poderia acontecer, as pessoas ficavam nos criticando dizendo que estavamos apenas querendo deixar canutama em atraso e nao ver o seu progresso.
    como nao somos formados na area nao fomos ouvidos, mas este problema estava bem as claras para qualquer pessoa que quisesse ver. además, o material usado para sua construção nao foi de primeira mao, mas material reaproveitavel, e disso temos fotografias tiradas por mim mesmo. mas isso deve nos servir para uma valiosa lição, caso contrario, é desperdício de dinheiro público..................

    ate quando vamos tolerar isso?


    manoel inacio de oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Decorridos quase quatro anos quem chega a Canutama hoje, por via fluvial vê o local totalmente transformado por conta de uma obra (ainda não concluída, falta a parte naval), objeto de ação do governo federal em convênio com o estadual no valor total de R$ 19.104.001,82 (dezenove milhões, cento e quatro mil, um real e oitenta e dois centavos).

      Que havia a necessidade da obra, ninguém discute mas, a pergunta que fica no ar é: o que levou a prefeitura de Canutama ao desespero de tentar executar uma obra, sem recursos técnicos e financeiros? E o pior é que não há nenhum processo correndo para apurar as responsabilidades pelo desperdício de dinheiro público na "obra" que foi encoberta por outra cumpriu com as determinações da lei.

      Excluir